Home / Cidades / Aprovado projeto de cabeamento subterrâneo de energia

Aprovado projeto de cabeamento subterrâneo de energia

A Câmara Municipal aprovou por unanimidade, em segunda e última votação, projeto do vereador Elias Vaz (PSB) que obriga o Município a instalar cabeamento subterrâneo de linhas de transmissão de energia acima de 69 quilovolts, as chamadas redes de alta tensão. “Foi uma decisão importante para garantir mais segurança à população e eficiência ao serviço. O cabeamento subterrâneo é realidade em vários países e agora será implantado também em Goiânia”, afirma o vereador. O projeto de lei segue para a sanção do prefeito.

A proposta aprovada hoje estabelece prazo de 20 anos para que as concessionárias de transmissão e distribuição de energia elétrica façam a substituição, mas exige a troca anual de pelo menos 5% dos cabos, com previsão de multa em caso de descumprimento. “É um tipo de investimento que é mais caro no início, mas que traz benefícios a longo prazo. A cidade terá menos problemas com rompimentos de cabos, falta de energia e acidentes, sem contar a questão da poluição visual”, defende o Elias Vaz. A previsão é de que sejam plantadas árvores no lugar dos postes removidos após a retirada do cabeamento aéreo.

A lei deve contemplar inclusive os projetos que ainda não estejam totalmente implantados. “Seja por não ter sido iniciada a implantação, interrupção por falta licença ou pendência no cumprimento de preceitos legais. Queremos também auxiliar na adequação dos que projetos que encontram dificuldades no cumprimento de todas as exigências legais”, explica o vereador.   Os moradores do Parque Anhanguera acompanharam a votação em plenário. Há cinco anos, eles travam uma disputa com a Enel Distribuição Goiás, que comprou a Celg D e iniciou a implantação de rede de alta tensão no bairro. Eles alegam que o local escolhido não está a uma distância segura das edificações. A implantação foi suspensa por decisão judicial. Agora, os moradores aguardam a sanção do prefeito para que possam ser protegidos pela lei.

Comentários

Comentários

Rolar para o Top