Home / Destaque / Arábia Saudita confirma morte de jornalista no consulado do país na Turquia

Arábia Saudita confirma morte de jornalista no consulado do país na Turquia

O canal de notícias estatal saudita Al Ekhbariya transmitiu um comunicado na madrugada deste sábado (20, pela hora local) segundo o qual resultados preliminares da investigação sobre o jornalista Jamal Khashoggi indicam que ele está morto.

Segundo o governo saudita, uma briga teria ocorrido entre Khashoggi e pessoas que estavam no consulado saudita em Istambul e, por isso, ele acabou morrendo.

O comunicado informou ainda que 18 cidadãos sauditas foram presos em decorrência do caso. Ahmed Al Asiri, chefe de inteligência saudita, e o conselheiro real Saud Al Qahtani foram retirados de seus cargos.

O rei Salman ordenou ainda a reestruturação do comando da agência geral de inteligência sob a supervisão do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, de acordo com a agência oficial da imprensa saudita.

Jamal Khashoggi, jornalista saudita crítico ao governo de Riad, era considerado desaparecido desde o dia 2 de outubro, depois que entrou no consulado de seu país em Istambul.

Segundo a BBC, o jornalista esteve no consulado saudita em Istambul pela primeira vez em 28 de setembro, para obter um documento certificando que havia se divorciado da ex-mulher, mas foi informado na ocasião de que teria que voltar outro dia. Ele precisava do documento para se casar com a sua noiva turca, Hatice Cengiz.

Hatice esperou por mais de 10 horas fora do consulado e retornou na manhã do dia seguinte, uma quarta-feira, e Khashoggi ainda não havia reaparecido.

Desde o início do caso a imprensa turca acusava autoridades sauditas de terem assassinado Khasoggi dentro do consulado, mas a Arábia Saudita sempre negou e, até esta sexta, nunca tinha admitido que o jornalista estava morto.

O jornal turco “Yeni Safak” inclusive publicou o que dizia ser o conteúdo de gravações feitas no interior do consulado. De acordo com a reportagem, Jamal teria sido torturado e decapitado por agentes sauditas. O veículo também afirmou que o assassinato durou sete minutos e que o corpo teria sido desmembrado ainda vivo.

Investigadores turcos estiveram mais de uma vez no consulado e também na residência oficial do cônsul saudita, e nesta sexta fizeram uma busca na floresta Belgrado, na margem europeia de Istambul.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, em Riad, na Arábia Saudita, na terça-feira (16) — Foto: Leah Millis/Pool/AFPO secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, em Riad, na Arábia Saudita, na terça-feira (16) — Foto: Leah Millis/Pool/AFP

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, em Riad, na Arábia Saudita, na terça-feira (16) — Foto: Leah Millis/Pool/AFP

Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que a explicação dada pelas autoridades sauditas nesta sexta-feira é “crível”, e que os EUA irá continuar acompanhando a investigação.

Em uma declaração assinada pela secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, o governo americano diz estar “triste pela confirmação da morte do senhor Khasoggi” e oferece suas condolências à família, noiva e amigos do jornalista.

Desde o início do caso, Trump tem defendido a Arábia e chegou a dizer que acreditava que Khasoggi poderia ter sido alvo de “assassinos fora de controle”.

No início da semana, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, esteve na Arábia, onde se encontrou com o rei Salman e o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, e na Turquia, conversando com o presidente Erdogan sobre o caso.

Mesmo prometendo uma “punição severa” caso algo seja provado contra o país, Trump tem ressaltado sua crença na inocência das autoridades sauditas. “Não estou encobrindo nada. Eu só quero averiguar o que está acontecendo. Provavelmente vamos saber algo até o final da semana”, disse o presidente na quinta.

Jamal Khashoggi morava nos Estados Unidos desde 2017 e escrevia para o jornal “Washington Post”. Seu último artigo foi publicado na quinta-feira (18), e fazia um apelo contundente pela liberdade de expressão no mundo árabe.

Comentários

Comentários

Rolar para o Top