Bolsonaro quer aprovar reforma da Previdência neste semestre

0
18

Presidente participou de café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto. Ele afirmou também que deve trocar os embaixadores do Brasil em pelo menos 15 países, entre eles EUA e França.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (13), em um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, que tem a convicção de que a reforma da Previdência será aprovada na Câmara e no Senado ainda neste semestre.

Questionado pelos jornalistas presentes sobre o prazo apertado, Bolsonaro disse que tem a convicção de que no Senado vai ser mais fácil, porque ali há muitos ex-governadores que, nas palavras do presidente, sabem mais do que ninguém da importância da reforma da Previdência.

Ele afirmou ainda que no Senado vai ser possível contar até com votos do PT a favor da reforma.

A reforma da Previdência é uma das principais apostas do governo para equilibrar as contas públicas do país e impulsionar a retomada da economia. O texto, enviado ao Congresso na forma de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), deve tramitar primeiro na Câmara e depois no Senado.

Troca de embaixadores

Bolsonaro afirmou também que deve fazer a troca de embaixadores do Brasil em pelo menos 15 países importantes, entre eles os Estados Unidos e a França.

O presidente falou especificamente sobre os Estados Unidos, já que tem uma viagem oficial marcada para o país neste mês.

Ele foi questionado se o embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, será trocado antes dessa viagem. O presidente respondeu que não e afirmou que seria muito ruim dar bilhete azul para o embaixador na chegada de uma visita como essa. Mas disse que o embaixador será trocado com certeza, porque não está vendendo uma boa imagem do Brasil no exterior.

Bolsonaro afirmou que sua imagem no exterior era muito ruim, que ele era apresentado como ditador, racista e homofóbico. O presidente afirmou que não é nada disso.

Ele disse ainda que devem ser assinados três acordos com os Estados Unidos durante a viagem. O presidente mencionou dois deles: um sobre tributação de produtos e outro sobre a base militar de Alcântara (MA).