Home / Destaque / Bombeiros encontram crânio em meio aos escombros do Museu Nacional

Bombeiros encontram crânio em meio aos escombros do Museu Nacional

Os bombeiros que trabalham no que restou do prédio do Museu Nacional na manhã desta terça-feira (4) encontraram um crânio em meio aos escombros. Ele pode ser de Luzia, o fóssil humano mais antigo da América. Um grupo de especialistas vai analisar o material.

Um bombeiro que trabalhou no controle das chamas contou que tentou resgatar Luzia, mas acabou ferido. Ao se arriscar no museu em chamas, ele relatou o desespero ao abrir um armário e só encontrar um ferro “incandescente”. Segundo ele, a alta temperatura do material derreteu a luva que o protegia do fogo e queimou seus dedos.

“Fizemos um esforço gigantesco e conseguimos nos aproximar e abrir o armário. Ao procurar Luzia, encontrei vazio e um ferro incandescente que derreteu minha luva e queimou meus dedos. Doeu, muito. Saí da sala e chorei. De dor? Não. De frustração,” destacou o soldado Rafael Luz.

Reconstituição do fóssil de Luzia feita por computador (Foto: Reprodução/TV Globo)

Reconstituição do fóssil de Luzia feita por computador (Foto: Reprodução/TV Globo)

A chuva durante a madrugada desta terça-feira (4) ajudou a apagar alguns focos de incêndio. Ainda assim, alguns deles voltaram a aparecer por volta das 6h. Os agentes seguem de prontidão no local.

A Defesa Civil do Rio de Janeiro informou na segunda-feira (3) que o local está interditado. Técnicos do órgão identificaram que “existe um grande risco de desabamento, que pode ocorrer com a queda de trechos remanescentes de laje, parte do telhado que caiu e paredes divisórias do prédio”. Na área externa, no entanto, a avaliação destaca que “devido à espessura das fachadas, não há risco iminente”.

Mesmo assim, na parte externa “foram constatados problemas pontuais, como queda de revestimento, adornos e materiais decorativos (estátuas) fazendo com que a área de projeção das fachadas também permaneça isolada”.

O Museu Nacional foi destruído por um incêndio na noite de domingo (2). A vice-diretora da instituição, Cristiana Serejo, afirmou que cerca de 10% do acervo não foi destruído após as chamas.

Serejo afirmou ainda que o detector de fumaça do museu não estava funcionando e que serão necessários, a princípio, R$ 15 milhões para a recuperação do museu.

“Houve o contingenciamento de um terço do valor de R$ 514 mil. Esse ano recebemos R$ 240 mil, o que é pouco”, afirmou Serejo, em frente ao Museu Nacional.

Comentários

Comentários

Rolar para o Top