CPI do BNDES: Baldy avalia que depoimento de sobrinho do Lula não esclarece suspeitas

0
30

O empresário Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho da primeira mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e proprietário da Exergia Brasil, depôs hoje (15/10), como testemunha, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Taiguara falou sobre a contratação de sua empresa de engenharia pela Odebrecht para construção da Hidrelétrica de Cambambe, em Angola.

download

Para o deputado Alexandre Baldy (PSDB-GO) o depoimento não esclareceu os indícios de que a empresa do depoente foi beneficiada de forma ilícita. “Taiguara não esclareceu a procedência de seu patrimônio, nem explicou como ascendeu espantosamente como empresário bem sucedido e pouco tempo depois passou a declarar ter somente dívidas”, questionou.

O empresário falou sobre as suspeitas de que Lula teria intermediado negociações para favorecer a empresa de Santos. A obra, financiada pelo BNDES, teve custo de quase US$ 500 milhões. O empresário confirmou que seu pai, Jacinto Ribeiro dos Santos, foi muito amigo do ex-presidente, mas acrescentou que pessoalmente é amigo apenas do filho do ex-presidente, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha.

Baldy questionou sobre as relações de Taiguara com o ex-executivo da Odebrecht, Alexandrino Alencar preso na Operação Lava Jato, acusado de ajudar a empreiteira a operar as propinas do Petrolão no exterior. Taiguara e Alexandrino viajaram juntos para Cuba com objetivo de estabelecer negócios entre o governo Cubano e a Exergia. Taiguara afirmou que não tem amizade com Lula e nunca frequentou a casa do político e mantinha relações profissionais com o ex-executivo da construtora.

O empresário afirmou ao colegiado não ter recebido propina e disse que não recebeu qualquer ajuda de Lula ou de Lulinha para fechar esse contrato com a Odebrecht. Baldy destacou que o objetivo de explicar o feito da empresa de Taiguara, a Exergia, em conseguir o que poucos empresários em contratos, sem qualificação, capital ou expertise de mercado.