Home / Colunistas / “É possível cortar os custos da máquina pública, sim”, por Nilson Leitão

“É possível cortar os custos da máquina pública, sim”, por Nilson Leitão

Na administração pública, assim como na gestão do orçamento doméstico, valem os mesmos fundamentos: não se gasta mais do que se ganha e, se a renda estiver toda comprometida com as despesas, não haverá dinheiro para mais nada.

Do que os brasileiros pagam de impostos – e aqui a carga tributária é uma das maiores do mundo – quase nada sobra para melhorar a infraestrutura, Saúde, Educação, Segurança Pública, e para reduzir a cobrança de tributos sobre insumos como o óleo diesel, por exemplo, que é uma das defesas que tenho feito há anos na Câmara. Essa penúria os brasileiros percebem no dia a dia e sofrem as consequências dela.

As famílias, quando estão no aperto, fazem economia, reduzem despesas, porque sabem que a conta do cartão de crédito ou do cheque especial uma hora chega. No entanto, os governos fazem o contrário: suspendem obras e ações, prejudicando a população, mas jamais diminuem o tamanho da máquina e os custos para bancá-la. E agem assim porque têm para quem enviar a fatura: para os cidadãos.

Para reduzir o tamanho da máquina pública e, assim, aliviar o peso dela sobre os ombros dos contribuintes, a bancada do PSDB na Câmara irá apresentar nesta semana um conjunto de propostas. A ideia é que os cortes comecem pelo Legislativo, dando exemplo para que o Executivo e Judiciário também deem a sua contribuição.

O Congresso Nacional é o segundo mais caro do mundo. Só perde para os Estados Unidos, cujo orçamento anual é quatro vezes maior do que o brasileiro e o PIB, conjunto de todas as riquezas geradas, é 11 vezes superior ao nosso. Ainda assim, lá a proporção é de 1 deputado por grupo de 752 mil habitantes. Aqui é de 1 para cada 408 mil.

Uma das propostas altera a Constituição para reduzir o número de deputados federais dos atuais 513 para 395, de senadores de 81 para 54, e de deputados estaduais, de 1095 para 804.

Essa redução, que não prejudicaria a representatividade da população e dos Estados, significaria uma economia direta e indireta perto de R$ 5 bilhões em quatro anos. Para efeito de comparação, neste ano Câmara, Senado e TCU (Tribunal de Contas da União), que é órgão auxiliar do Legislativo, custarão R$ 12,5 bilhões.

Além dessa medida, vamos apresentar uma emenda à LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2019 para reduzir as despesas de custeio dos três Poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário – em 20%.

Esse corte não afetará a prestação de serviços ou áreas essenciais, como Saúde e Educação, por exemplo, porque se referem aos gastos para o funcionamento da máquina administrativa. Para exemplificar: estamos propondo corte nas despesas com o combustível dos carros dos ministros e não com as das ambulâncias.

E é perfeitamente possível reduzir gastos sem prejudicar o serviço a ser prestado. No Executivo, as despesas de custeio somaram R$ 35,5 bilhões no ano passado, as do Judiciário, R$ 3,4 bilhões, e a do Legislativo (Câmara, Senado e TCU), R$ 746 milhões. No Ministério Público da União, corresponderam a R$ 682,6 milhões e na Defensoria Pública, R$ 193 milhões. Há sempre gordura a ser cortada. Por exemplo: o governo federal precisa gastar R$ 2,1 bilhões em alugueis de prédios?

Uma terceira proposta que vamos apresentar nesta semana vincula as verbas de gabinetes das Assembleias Legislativas às da Câmara Federal. O objetivo é fazer com que as verbas dos deputados estaduais sejam limitadas a 50% das destinadas aos federais. Isso porque não são raros os casos Brasil afora em que as verbas nas Assembleias superam as da Câmara Federal.

São propostas que podem contribuir para a redução de despesas e, como disse, servirem de exemplo para os outros Poderes. Não há mágica na administração pública. Só se consegue investir e reduzir o que se cobra de imposto se, além da reforma tributária para simplificar o sistema, cortarmos os gastos públicos na carne. Os brasileiros estão cansados de serem escravos do Estado brasileiro, trabalhando para pagar a conta do seu funcionamento e recebendo quase nada em troca.

 

 

 

 

 

 

Líder do PSDB na Câmara dos Deputados. (foto: Alexssandro Loyola)

Comentários

Comentários

Rolar para o Top