Flamengo diz que ar-condicionados foram revisados, culpa pico de energia e refuta “puxadinho”

0
52

O Flamengo se manifestou neste sábado sobre a tragédia no Ninho do Urubu, ocorrida neste sábado. Ricardo Belotti, CEO do clube, fez um pronunciamento à imprensa na sede da Gávea em que defendeu as instalações utilizadas pelos jovens, afirmou que os equipamentos de ar-condicionado haviam sido revisados e indicou que um pico de energia nestes podem ter iniciado o incêndio.

CONFIRA A COBERTURA COMPLETA DA TRAGÉDIA NO FLAMENGO 

“São alojamentos modulados implantados em 2011. O CT começou assim e por lá passaram jogadores consagrados como Ronaldinho Gaúcho, Vagner Love, a seleção olímpica de futebol. Não estamos falando de puxadinho, é alojamento. Foi aprovado pelo conselho da criança e do adolescente, que nos deu certificado. Ferj e CBF nos deram certificado de formadores. Tínhamos que manter alojamentos adequados, alimentação, higiene, segurança, salubridade… Ou seja, é porque tudo foi atingido. Nós não estamos falando de uma instituição, estamos falando de duas, de três. Esse módulo e alojamento era conhecido por todos. Aquilo não era um puxadinho, era um alojamento confortável”, afirmou.

“Nós sentimos muito o que aconteceu. Esses atletas chegaram na segunda-feira, eles estavam de férias. O Flamengo preventivamente fez uma manutenção em todos os sistemas de ar condicionados. Temos isso registrado. Na quinta-feira se abateu sobre o RJ praticamente um furacão. Tivemos ventos entre 110 e 120km/h. O que sabemos é que entre a noite de quinta e manhã de sexta houveram vários picos de energia. A perícia disse a alguns funcionários que o problema começou no ar condicionado. Ninguém sabe o porquê. Aconteceu um acidente trágico. Não foi por falta de prevenção e cuidados do Flamengo”, completou.

Na madrugada da última sexta-feira, dez atletas da base do Flamengo morreram após um incêndio de grandes proporções no Ninho do Urubu, centro de treinamento da equipe. Todos tinham entre 14 e 16 anos e há três feridos se recuperando, um deles em estado grave, já que teve quase 40% do corpo queimado.“Eles são nosso maior ativo. Tivemos todo o cuidado. Não poupamos esforços. A suposição é que os picos de energia tenham ocasião o princípio do incêndio e aí, com fumaças tóxicas, as pessoas começam a desfalecer. Nós presamos muito por aquela turma, eles são o nosso futuro. Foi uma sucessão e eventos após um dia catastrófico no Rio de Janeiro e que se tornou ainda pior (…) Estamos trabalhando fortemente para em breve saber o que aconteceu. O futebol mundial está de luto e nós sentimos muitíssimo ter ocorrido conosco”.

Em nota oficial, a Prefeitura do Rio de Janeiro informou que a atual licença do local é válida até 8 de março deste ano, ou seja, expirará daqui a um mês. No entanto, a área que pegou fogo foi descrita como “estacionamento” no documento e que não há um novo pedido de licenciamento da área para uso como dormitório.

“Sobre multas, licenças, alvarás… isso não tem nada a ver com o acidente. Temos providências a tomar para o CT ser legalizado. Estamos trabalhando para isso precisávamos de 9 certificados. Já temos 8. Estamos trabalhando com os bombeiros”.

Belloti confirmou a identificação de cinco corpos até o momento. Além disso, ressaltou o acompanhamento aos que estão ainda hospitalizados. “Identificamos cinco corpos e vamos providenciar os traslados. Além disso, há os três atletas hospitalizados. Também trouxemos os familiares. Estamos  acompanhando e dando tudo o necessário. O que está mais grave, está o tempo inteiro com médico nosso”.

 

Reinaldo Belotti, CEO do Flamengo, fala em acidente trágico: ‘Não foi por falta de investimento’