MPF apura se imóveis no Guarujá são propinas do esquema da Lava Jato

0
124

O Ministério Público Federal (MPF) investiga a abertura de offshores (empresas no exterior) e a compra de apartamentos no Guarujá (SP) para lavar dinheiro do esquema de corrupção naPetrobras.

Condomínio Solaris, no Guarujá, sob investigação na Lava Jato (Foto: solaris, guarujá)
Condomínio Solaris, no Guarujá, sob investigação
na Lava Jato (Foto: solaris, guarujá)

Todos os imóveis do condomínio Solaris, na praia das Astúrias, estão sendo apurados. Familiares de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, podem ter sido beneficiados pela OAS na compra de apartamentos.

“Em relação ao conjunto Solaris, nós estamos investigando todas as operações desses apartamentos. Nós temos indicativos em relação a familiares do Vaccari e também de uma offshore aberta pela Mossak Fonseca”, disse o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, nesta quarta-feira (27), ao detalhar a 22ª fase da Operação Lava Jato.

A imprensa noticiou que um dos imóveis do condomínio, um triplex, estaria sendo reformado para a família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, segundo o MPF, o caso ainda é investigado.

A polícia apura se a empresa Mossack Fonseca abriu offshores para esconder a propriedade de apartamentos que eram da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) e depois foram assumidos pela construtora OAS. O empreendimento teria sido usado como repasse disfarçado de propina a agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobras.

Abertura de empresas
A empresa Mossack Fonseca criou offshores para Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, e Pedro Barusco, ex-gerente da mesma área, afirmou o procurador. Mário Goes, apontado pela Polícia Federal como um dos operadores do esquema, também teria recebido uma empresa no exterior. “A Mossack Fonseca era uma grande lavadora de dinheiro”, disse Carlos dos Santos Lima.

Segundo despacho assinado pelo juiz Sergio Moro, há provas contra a empresa, que tem sede no Panamá. “Existentes, portanto, provas, em cognição sumária, de que a Mossack Fonseca providenciou os serviços necessários para a abertura de off-shores para pelo menos quatro agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobras e que as utilizaram para lavagem de dinheiro.”

O MPF ainda não sabe o montante de dinheiro movimentado nas empresas no exterior. Manter offshores não é ilegal, mas a falta de declaração à Receita Federal constitui crime.

A publicitária Nelci Warken, presa nesta quarta-feira, seria uma “laranja” do esquema, de acordo com o procurador (veja o vídeo abaixo). Ela que prestou serviços de marketing à Bancoop e ainda deve prestar depoimento.

Triplo X
A 22ª fase da Lava Jato foi deflagrada na manhã desta quarta em São Paulo e Santa Catarina. Ela mira apartamentos da empreiteira OAS que, segundo investigações, podem ter sido usados para repasse de propina do esquema de corrupção. Batizada de Triplo X, a fase também tem como alvo suspeitos de abrir empresas offshores e contas no exterior para ocultar o crime de corrupção.

São investigados negócios da Bancoop relacionados a apartamentos que não foram entregues e agora pertencem à empreiteira OAS, uma das investigadas na Lava Jato.

Um dos focos é a empresa Mossack Fonseca, utilizada para abrir offshores. A polícia apura se a empresa abriu empresas no exterior para esconder a propriedade de apartamentos que eram da Bancoop e depois foram assumidos pela OAS.

A suspeita é que unidades imobiliárias da Bancoop/OAS teriam sido usadas para repasse de propina. Um desses apartamentos está no nome da empresa Murray, uma offshore aberta pela Mossak. A polícia apura indícios de fraudes na maneira como a Murray adquiriu o patrimônio. Uma linha de investigação aponta que o esquema ocultava os reais donos das offshores.

Policiais federais chegam com malotes da Operação Lava Jato na sede da PF em SP (Foto: Tatiana Santiago/G1)
Policiais federais chegam com malotes da Operação Lava Jato na sede da PF em SP (Foto: Tatiana Santiago/G1)

Vaccari, que já presidiu a Bancoop, foi preso pela Lava Jato em 2015 e está detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Segundo o MPF, a empreiteira OAS participava do chamado “clube” de empresas que, por meio de um cartel, fraudava as licitações da Petrobras. Para conquistar os contratos, as empresas pagavam propina a diretores da Petrobras e a partidos políticos, com a intermediação de operadores.

Entre os crimes investigados na atual fase estão corrupção, fraude, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Oitenta policiais participam da ação.

A prisão temporária tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período ou convertida em preventiva, que é quando o investigado fica preso à disposição da Justiça sem prazo pré-determinado. Os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba.

Coletiva sobre a 22ª fase da Lava Jato (Foto: Adriana Justi/ G1)
Representantes da Polícia Federal e do Ministério Público falam sobre a 22ª fase da Lava Jato (Foto: Adriana Justi/ G1)
criação de site