Home / + Goias / Não é pesquisa: 61 favoritos para a disputa das 41 vagas da Assembleia Legislativa

Não é pesquisa: 61 favoritos para a disputa das 41 vagas da Assembleia Legislativa

A lista foi elaborada por líderes partidários e jornalistas e não tem qualquer valor científico

Foto: Ruber Couto

A lista a seguir foi construída com o apoio de 20 líderes partidários e jornalistas — que preferem não ser citados (dizem que “não suportam” as cobranças dos que não foram arrolados). Não tem caráter científico e não é pesquisa. Como se sabe, a Assembleia só tem 41 vagas — que serão disputadíssimas. É provável que, de alguma região do Estado — como Entorno e Sudoeste — sejam eleitos alguns políticos que não são conhecidos no Estado (exceto em sua região e cidade), notadamente de quem mora em Goiânia. É possível também que alguns medalhões, inclusive mencionados na lista abaixo, não sejam eleitos. Os eleitores cobram renovação e, se quiserem, poderão começar a mudança em 7 de outubro deste ano.

Porém, pode-se falar numa tradição: a maioria dos que já estão no Palácio Alfredo Nasser tende a permanecer lá. Exagero ante o clamor por renovação? Pode ser. Frise-se, obviamente, que a presença de alguém na relação não significa necessariamente que “está” ou “será eleito”. Trata-se tão-somente de “favoritismo” — como apontaram os líderes partidários e jornalísticos. Os “votantes” elegeram entre os principais critérios para definir suas escolhas: presença ostensiva na política e estrutura pessoal e partidária. A lista é falha? É — como toda lista. A única “lista” que realmente vale — nem pesquisas apuram um quadro preciso para deputado — é aquela que a Justiça libera, logo depois do pleito, apontando quais são os eleitos. Vale esclarecer que os nomes estão dispostos em ordem alfabética — e não de favoritismo.

1 — Adriana Accorsi/PT

2 — Aleandra Souza (PTB)

3 — Alison Maia (DEM). Embora citado, há indícios de que poderá não disputar, porque seu objetivo é disputar a Prefeitura de Caldas Novas. Seu nome é mantido porque recebeu várias menções.

4 — Álvaro Guimarães (DEM)

5 — Andrey Azeredo (MDB). Pode não disputar, sugere um de seus eleitores. Citado, decidiu-se por arrolá-lo.

6 — Antônio Gomide (PT)

7 — Bruno Peixoto (MDB)

8 — Capitão Tarley. Sem filiação. Tende a se filiar (é militar) num partido da base aliada.

9 — Carlim Café (PSB)

10 — Carlos Antônio (PTB)

11 — Chiquinho Oliveira (PSDB)

12 — Cláudio Meirelles (PTC)

13 — Clécio Alves (MDB)

14 — Coronel Adailton (PSDB)

15 — Cristina Lopes (PSDB)

16 — Dária Rodrigues/PP;

17 — Datena Filho (PRP)

18 — Deusmar Barbosa (DEM)

19 — Dhone Rodrigues (Solidariedade)

20 — Diego Sorgatto (PSDB)

21 — Doutor Waldir Bastos (PHS)

22 — Eduardo Prado (PV)

23 — Eliane Pinheiro (PSDB)

24 — Elias Vaz (PSB)

25 — Frederico Bispo (Patriota)

26 — Gugu Nader (PTB)

27 — Gustavo Sebba

28 — Helio de Sousa (PSDB)

29 — Henrique Arantes (PTB)

30 — Henrique César (PSDB)

31 — Humberto Aidar (MDB)

32 — Isaura Lemos (PC do B)

33 — Iso Oliveira (DEM)

34 — João Gomes (PSDB)

35 — José Vitti (PSDB)

36 — Júlio da Retífica (PTB)

37 — Júlio Paschoal (PSDB)

38 — Lêda Borges (PSDB)

39 — Lissauer Vieira (PSB)

40 — Lívio Luciano (Podemos). É cotado para ser vice do pré-candidato a governador pelo DEM, Ronaldo Caiado. Mas foi citado como pré-candidato a deputado por vários entrevistados.

41 — Lucas Calil (PSD)

42 — Luis Cesar Bueno (PT)

43 —Luiz Stival (PPS)

44 — Major Araújo (PRP)

45 — Manoel de Oliveira (PSDB)

46 — Marcelo do vale (PSDB)

47 — Marlúcio Pereira (PTB)

48 — Max Menezes (PSD)

49 — Nédio Leite (PSDB)

50 — Ozair José (MDB)

51 — Pastor Jefferson (PRB)

52 — Paulo Cezar Martins (MDB)

53 — Rosângela Rezende (MDB)

53 — Santana Gomes (PDT)

54 — Sebastião Caroço (PSDB)

55 — Simeyzon Silveira (PSD)

56 — Talles Barreto (PSDB)

57 — Thiago Maggioni (PSDB)

58 — Vanderlan Cardoso (PP). Afirma que não deve ser candidato. Quer disputar a Prefeitura de Goiânia em 2020. Mas recebeu várias menções.

59 — Virmondes Cruvinel (PPS)

60 — Wagner Siqueira (MDB)

61 — Wilde Cambão (PSD).

Fonte: Jornal Opção

Comentários

Comentários

Rolar para o Top