Caiado volta a nomear comissionados e custo sobe R$ 4 milhões desde fevereiro | Ronaldo Caiado

0
69

Envolto em uma crise financeira que tem impactado sobremaneira o primeiro ano de governo – nem parece que o ano já se ruma para o seu último quadrimestre –, o governo Ronaldo Caiado já perdeu um terço da economia que fez com o corte de servidores comissionados sem vínculo com o Estado. A economia, que chegou a R$ 10,9 milhões na folha de fevereiro, em relação à folha herdada de janeiro, em julho caiu para R$ 6,3 milhões. O resultado é fruto da reocupação paulatina dos cargos de livre nomeação e sem concurso público na administração.

Caiado assumiu o governo com 6.170 servidores comissionados sem vínculo, segundo o Portal da Transparência. Essa é a quantidade que consta na folha de janeiro de 2019. Ao todo, esses funcionários, oriundos da administração do ex-governador José Eliton, custaram ao Estado R$ 26,6 milhões.

Em fevereiro, após várias exonerações, a quantidade de servidores comissionados sem vínculo recuou para 3.799. O custo deles baixou para R$ 15,3 milhões. A contenção culminou em uma folha 41% menor que a recebida da gestão anterior e em uma diminuição de 38% no número de comissionados.

O corte teve dois efeitos: proporcionar uma economia importante para os cofres públicos e reforçar o discurso de zelo pelo dinheiro público. Assim, Caiado dava uma resposta ao seu eleitorado ao mesmo tempo em que sinalizava a pretensão de fazer um governo austero, conforme a situação fiscal exige.

Mas, mês a mês, a situação está mudando. Conforme o quadro abaixo demonstra, a recontratação de comissionados tem sido gradual e ininterrupta. Desde fevereiro, foram nomeados 711 novos servidores em concurso. Os maiores saltos ocorreram entre abril e maio (356) e entre junho e julho (323). O aumento desde fevereiro foi de 18%.

Ronaldo Caiado

Cortes causaram perda de qualidade nos serviços

Após realizar os cortes, Caiado passou a enfrentar críticas em relação à piora dos serviços prestados, notadamente no Vapt Vupt e nos Ciretrans. Esses dois órgãos têm uma participação importante de comissionados em seus quadros. Mas também há o componente político. É também nesses órgãos que indicações políticas são mais comuns, especialmente no interior do Estado.

É importante ressaltar que Caiado ainda gasta bem menos que o governo José Eliton com funcionários de livre nomeação. Em janeiro, a folha de pagamento desse grupo custou R$ 26,2 milhões. Em fevereiro, após as exonerações promovidas pela governo, o custo caiu para R$ 15,3 milhões (40% a menos, portanto).

Esse valor foi aumentando gradualmente ao longo do ano. Em março, já era de R$ 16,6 milhões. Em julho, chegou a R$ 19 milhões. A economia total caiu para 27% – um patamar ainda significativo, é preciso reconhecer. Mas a curva ascendente acende um sinal de alerta no governo.

Uma análise da folha de pagamento que leva em conta estritamente os números revela que a diminuição dos gastos com comissionados tem impacto muito mais político que efetivamente financeiro. Esse grupo de servidores corresponde a apenas 1,7% do total da folha, que está em R$ 1.096.229.023,94, valor que certamente aumentará quando o governo conceder a data-base, o que deveria ter ocorrido em maio.

Mas, em momentos de crise como o que o governo atravessa, sem capacidade de investimento e com o orçamento comprometido quase que totalmente com despesas obrigatórias, cada centavo economizado importa, conforme já disse o secretário de Governo Ernesto Roller.

A questão ganha muito mais relevância em um cenário como o atual, em que o funcionalismo, entre ativos e inativos, compromete mais de 60% da receita corrente líquida do Estado. Como não há como cortar entre os servidores concursados e os inativos, resta evitar que os gastos cresçam entre os comissionados.

Caiado busca alternativas para investimentos

Com receitas comprometidas, o governador Ronaldo Caiado busca alternativas para destravar o governo. A proposta mais recente é um empréstimo para a Celg GT, no montante de R$ 2 bilhões, com aval do governo federal. A intenção é fazer investimentos em distribuição de energia.

A operação não é simples. Será necessário, caso os recursos sejam alavancados, superar questões legais para que o governo possa atuar na área, que é de responsabilidade da Enel.

Caso a estratégia tenha êxito, Caiado dará um passo politicamente importante. Políticas de saneamento de contas, como as que vem adotando, são fundamentais para a boa saúde do Estado – mas têm pouca ressonância diante do eleitorado.

O histórico recente, porém, não tem sido favorável ao democrata. As principais apostas até agora foram frustradas. O esperado socorro da União nunca chegou; o Plano de Equilíbrio Fiscal (PEF) e a participação dos Estados nos fundos constitucionais nunca saíram do papel, e a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) é visto com desconfiança até mesmo por integrantes do governo.

E, como se os percalços não fossem o suficiente, a semana terminou com uma rebelião de auditores fiscais. Insatisfeitos com um decreto governamental que possibilita o compartilhamento de informações da receita com a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), cinco superintendentes colocaram os cargos à disposição.

Com tantos abacaxis em mãos (folha que não para de crescer, injeção de recursos que não ocorre), a secretária da Economia, Cristiane Schmidt, terá de mostrar não apenas capacidade técnica, mas jogo de cintura político.

Aguardemos os fatos.

por Rodrigo Hirose, Jornal Opção

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui