Casa Branca tenta blindar conversa de Trump com presidente ucraniano

0
108
US President Donald Trump waits to greet Switzerland's President Ueli Maurer before a meeting at the White House on May 16, 2019, in Washington, DC. (Photo by Brendan Smialowski / AFP)

Autoridades da Casa Branca agiram para esconder o conteúdo da conversa entre o presidente Donald Trump, dos Estados Unidos, e o da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pois sabiam que o material é comprometedor.

A informação está no documento do agente que redigiu a acusação contra Trump que fundamenta o pedido de impeachment feito contra o americano.

O relatório, que foi redigido no dia 12 de agosto, foi tornado público nesta quinta-feira (26), por um comitê da Câmara dos Deputados.

O acusador escreveu que durante suas tarefas oficiais, recebeu informações “de múltiplos agentes do governo dos EUA de que o presidente dos EUA está usando o poder de seu gabinete para pedir interferência estrangeira nas eleições de 2020”.

Reprodução do documento em que um agente de inteligência dos EUA acusa Trump de tentar interferir nas eleições de 2020 — Foto: Reprodução

Ele descreve que isso inclui, entre outras coisas, “pressionar um governo estrangeiro para investigar um dos principais rivais políticos domésticos do presidente”.

“O advogado pessoal do presidente, o senhor Rudoph Giuliani, é uma figura central nesse esforço. O procurador geral [William] Barr parece estar envolvido também”, afirmou ele no documento.

O telefonema do dia 25 de julho

Na manhã de 25 de julho, o presidente falou pelo telefone com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Foi a primeira chamada que se tornou pública entre os dois desde um cumprimento de parabéns, depois que Zelensky vendeu as eleições, em 21 de abril.

“O presidente usou o telefonema para defender seus interesses pessoais. Explicitamente, buscou pressionar o líder ucraniano para tomar ação para ajudar a reeleição de 2020. De acordo com os agentes da Casa Branca, o presidente pressionou Zelensky.

  • Iniciar uma investigação das atividades do ex-vice-presidente Joseph Biden e de seu filho, Hunter Biden;
  • Revelar que as alegações de interferência russa nas eleições de 2016 começaram na Ucrânia: foi a empresa de segurança virtual americana Crowdstrike que inicialmente revelou que hackers russos haviam entrado nas redes do Partido Democrata em 2016; Trump pediu para que Zelensky localizasse e entregasse aos EUA servidores usados pelo Comitê Nacional Democrata e examinasse a companhia;
  • Encontrar ou conversar com duas pessoas ligadas ao presidente, Giuliani e o procurador geral Barr, a quem o presidente fez múltiplas referências na chamada

Tentativas de esconder a conversa

“Nos dias após o telefonema, eu soube de diferentes agentes que um oficiais sênior da Casa Branca tentaram intervir para ‘travar’ todos os registros da chamada, especialmente a transcrição de palavra por palavra produzida em decorrência do telefonema, como é costume, pela sala de controle da Casa Branca”.

Para o acusador, “esse conjunto de ações ressalta que autoridades da Casa Branca entendiam a gravidade do que havia acontecido na chamada”.

Os informantes informaram ao acusador que eles foram orientados pelos advogados da presidência a retirar a transcrição eletrônica do sistema de computadores em que eles geralmente são armazenados.

O registro da conversa foi carregado em um outro sistema eletrônico, que tradicionalmente é usado para informação sigilosa.

“Um oficial da Casa Branca descreveu esse ato como um abuso do sistema eletrônico, porque a chamada não continha nada remotamente sensível do ponto de vista de segurança nacional”, afirma o acusador.

Pós-telefonema

O acusador relata que a conversa entre Trump e Zelensky teve consequências. O líder ucraniano se encontrou, em Kiev, um dia depois da chamada, com duas autoridades dos EUA:

  • O representante especial dos EUA para negociações com a Ucrânia, Kurt Volker
  • O embaixador dos EUA na União Europeia, Gordon Sondland

Os dois deram conselhos a Zelensky sobre como “navegar” as demandas de Trump.

No dia 2 de agosto, Rudolph Giuliani, o advogado de Trump, foi a Madri, na Espanha, para se encontrar um conselheiro do ucraniano, Andriy Yermak. O encontro foi uma reunião de acompanhamento (“follow up”) sobre os casos que os presidentes haviam discutido.

Diversos agentes relataram ao acusador que Giuliani buscou assessores de Zelensky, inclusive o chefe do serviço de segurança ucraniano, Ivan Bakanov. O autor do documento não sabe se, de fato, esses encontros aconteceram.

Relatos de terceiros

O agente relata que mais de meia dúzia de autoridades americanas o informaram de vários fatos ligados a esse esforço –é rotina para os agentes com responsabilidade por uma região específica ou uma função compartilhar tais informações um com o outro para determinarmos políticas e análises.

Ele ressalta que não foi testemunha direta da maioria dos eventos. “Considerei que as descrições desses eventos pelos meus colegas verídicas porque, em quase todos os casos, múltiplos agentes recontaram padrões de fatos que eram consistentes um com o outro”, escreveu.

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui