EUA x Irã: quem são os aliados de Teerã no Oriente Médio

0
101

Cumprindo a promessa de “vingar” a morte do general Qasem Soleimani, o Irã lançou vários mísseis contra bases americanas no Iraque na madrugada de quarta-feira (8).

Pouco após essa operação, o ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, anunciou que Teerã dava por “concluídos” os ataques de retaliação contra os Estados Unidos e que não buscava uma escalada, tampouco uma guerra.

No entanto, um dia após os ataques contra bases americanas, um importante comandante militar iraquiano, Amir Ali Hajizadeh, disse que que a única vingança apropriada à morte de Soleimani seria a expulsão das forças americanas do Iraque.

Hajizadeh, que comanda a Força Áerea das Guardas Revolucionárias, disse que o ataque iraniano de quarta-feira teria sido o início de uma operação de larga escala na região caso os EUA tivessem respondido.

O mundo acompanha com apreensão os acontecimentos nesta semana e se pergunta que outras nações podem entrar na briga, caso haja uma escalada da tensão.

Os EUA contam com vários aliados no Oriente Médio, como Arábia Saudita e Israel.

Mas quem poderá ficar do lado do Irã em conflitos armados na região?

Rússia

Depois da morte de Soleimani, o ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, condenou o ataque dos EUA, dizendo que o assassinato de um funcionário do governo iraniano no território de um terceiro país viola “os princípios do direito internacional e merece condenação”.

As relações entre Moscou e Teerã têm sido boas desde a queda da União Soviética — os dois governos há tempos veem os Estados Unidos como rival ou inimigo.

Tanto Irã quanto Rússia tentam limitar a influência política dos EUA na Ásia Central. Os estreitos laços econômicos entre os dois países também tem ajudado o governo de Hassan Rouhani a sobreviver às severas sanções econômicas impostas pelo presidente Donald Trump ao país do Oriente Médio desde 2018.

O Irã também tem na Rússia um conveniente provedor de armas para seu envolvimento em guerras civis na região, como as do Iêmen e da Síria.

Enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, tenta devolver à Rússia o status de superpotência, “o Irã quer voltar a ter um papel importante no cenário internacional”, explica um dos editores da BBC Persa.

E, para alcançar esses objetivos, buscam expandir suas esferas de influência no Oriente Médio e reduzir o poder dos EUA.

Síria

Assad e RouhaniDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionPara muitos, o apoio do Irã tem sido vital para a permanência de Bashar al-Assad na presidência da Síria

O governo sírio de Bashar al-Assad tem, no Irã, um aliado-chave desde que estourou a guerra no país em 2011.

Soleimani desempenhou um papel essencial no manejo das forças respaldadas pelo Irã e que apoiam Assad. Por isso, a morte do general foi, também, um golpe para o presidente sírio.

O papel de Soleimani era tão importante que quando Assad fez uma rara visita a Teerã, no ano passado, foi recebido pelo general iraniano juntamente com o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

O apoio do Irã a Assad é visto como crucial para a manutenção dele no poder apesar das pressões internas e externas, sobretudo dos Estados Unidos. O presidente sírio teria sido salvo por forças iranianas quando rebeldes cercaram Damasco e se apoderaram de cidades importantes do país.

Iraque

O Irã e o Iraque compartilham uma ampla fronteira e uma história milenar. As relações entre as nações se deterioraram após um golpe de Estado no Iraque em 1958. Os dois países chegaram a entrar em guerra entre 1980 e 1988 e o então presidente iraquiano, Saddam Hussein, foi apoiado pelos Estados Unidos no conflito.

Mas as relações entre Irã e Iraque melhoraram após a queda de Saddam Hussein em 2003, com a invasão norte-americana ao país. A guerra do Iraque, promovida pelos EUA, abriu caminho — ainda que essa não tenha sido a intenção do governo americano — para que o Irã aumentasse sua influência na região.

Adel Abdul Mahdi.Direito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO premiê do Iraque, Adel Abdul Mahdi, condenou o ataque dos EUA a Soleimani

Hussein era um presidente muçulmano sunita, num país de maioria muçulmana xiita. Os iranianos, que são de maioria xiita, viram na sua derrubada uma oportunidade para fortalecer esse braço do islã na região.

Foi, assim, criada uma coalizão entre Rússia, Síria, Irã e Iraque para enfrentar conflitos civis que afetam Irã e Iraque e combater grupos extremistas, como o autodenominado Estado Islâmico e a Al Qaeda.

Agora, o território iraquiano parece ter se convertido no campo de batalha da escalada da tensão entre Irã e EUA. Embora o Iraque não tenha respaldado o Irã abertamente nesse conflito, o primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul Mahdi, condenou o ataque norte-americano contra Soleimani.

E alguns grupos armados existentes no Iraque, com o Kataeb Hezbollah — braço da milícia xiita libanesa no Iraque — são alguns dos aliados mais fortes de Teerã no Oriente Médio.

Milícias iraquianas

O Irã treina e financia milícias xiitas no Iraque que têm lutado contra tropas dos EUA no país desde a invasão americana em 2003. Essas mesmas forças adversárias do Exército americano também se mobilizam contra o Estado Islâmico, inimigo comum de Irã e EUA.

Entre as milícias aliadas do Irã estão o Kataeb Hezbollah, também conhecido como Hezbollah iraquiano, e a Organização Badr.

Soleimani era uma figura vital para o funcionamento dessas milícias e trabalhava em grande proximidade com elas. O mesmo bombardeio que vitimou o general iraniano matou, também, Abu Mahdi al Muhandis, líder do Kataeb Hezbollah.

Essa organização integra a chamada Força de Mobilização Popular do Iraque, uma coalizão paramilitar que agrupa cerca de 40 milícias majoritariamente xiitas, apoiada pelo Irã e incorporada às Forças Armadas do Iraque em 2016.

Estima-se que essa coalizão de milícias conte com 150 mil combatentes.

Catar

Hassan Rouhani com o ministro de Relações Exteriores do IrãDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO Catar teria fortes relações com o Irã e o Hezbollah

Em 2017, quando Arábia Saudita e seus aliados no Golfo Pérsico realizaram um bloqueio econômico ao Catar, o Irã decidiu ajudar o país enviando suprimentos diários de alimentos, com toneladas de frutas, verduras e carnes.

Desde esse incidente, os laços comerciais entre Catar e Irã não param de crescer. E, em diversas ocasiões, a Casa Branca acusou as autoridades do Catar de financiar e patrocinar “milícias pró-iranianas”, como o Hezbollah.

No ano passado, o jornal britânico Sunday Telegraph revelou a existência de correspondências eletrônicas que confirmavam as estreitas relações entre altos funcionários do Catar, Qasem Soleimani e o líder do Hezbollah, Hassan Nasralá.

Hezbollah

O líder supremo do Irã com o chefe do Hezbollah Hassan Nasrallah.Direito de imagemGETTY IMAGES
Image captionDesde seu surgimento, o Hezbollah tem sido um dos aliados mais importantes da República Islâmica do Irã

O Hezbollah é uma organização política, militar e social xiita que exerce um poder considerável no Líbano.

Ele surgiu com a ajuda do Irã durante a ocupação israelense em Beirute, no início da década de 1980, e, desde então, tem sido um dos aliados mais importantes da República Islâmica.

No comando da Força Quds, Soleimani contribuiu para o crescimento e a consolidação do Hezbollah no Líbano. Atualmente, a organização é um dos grupos armados mais importantes da região e um instrumento para que a influência do Irã chegue às portas de Israel.

Há indícios de que o Hezbollah continua a receber armas e apoio financeiro do Irã na atualidade e, para muitos, essa organização atua como representante da república islâmica em conflitos com Israel.

Segundo Nathan Sales, acadêmico e advogado que ocupa cargo de coordenador da Luta contra o Terrorismo do Departamento de Estado dos EUA, o Irã provê ao Hezbollah mais de US$ 7 milhões por ano.

“Ainda que a cifra estivesse inflada, como sugerem muitos, poucos contestam que Teerã seja o maior benfeitor do Hezbollah”, escreveram os cientistas políticos Ariane M. Tabatabai e Colin P. Clarke, da Universidade de Columbia, na revista Foreign Policy.

O grupo conta com um arsenal de mísseis que podem chegar a Israel, além de milhares de combatentes altamente treinados militarmente.

Militantes de Gaza

Homem com banderra palestinaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionFaz muitos anos que Teerã apoia grupos militantes palestinos

O Irã apoiou durante muito tempo grupos militantes palestinos, como o Hamas, em Gaza, e a Yihad Islâmica Egípcia, considerados por vários países ocidentais como organizações terroristas.

Mas, após os protestos — e queda de governos — na Primavera Árabe de 2011, as relações entre o Irã e o Hamas sofreram um revés porque a organização decidiu apoiar opositores do presidente sírio, Bashar al-Assad.

No entanto, desde 2017, o Hamas tem tentado restaurar os laços com o governo iraniano, principalmente em razão do endurecimento do bloqueio israelense na Faixa de Gaza, que resultou num duro golpe econômico para o grupo.

O Hamas vive uma grave crise financeira e parece obter a maior parte de seu sustento do Catar, portanto, é difícil que consiga apoiar militarmente o Irã num conflito armado regional.

Mas a Yihad Islâmica Egípcia, que é conhecida por ser mais violenta, poderia estar disposta a se envolver numa eventual guerra, ao lado do Irã.

Os houtis no Iêmen

militantes hutisDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionOs houtis, de maioria xiita, integram uma ampla rede de milícias armadas apoiadas por Teerã

Fixados no noroeste do Iêmen, os houtis, milicianos de um movimento majoritariamente xiita, se tornaram conhecidos internacionalmente em 2015, quando promoveram um golpe de Estado contra o presidente do Iêmen Abd Rabbuh Mansur Hadi.

Desde então, se instalou uma violenta guerra civil no país. Mansur Hadi tenta combater os rebeldes e reconquistar regiões ocupadas por eles com o apoio de uma coalizão sunita liderada pela Arábia Saudita.

Já os houtis contam com o apoio militar e financeiro de uma rede de milícias patrocinadas pelo Irã.

O governo de Abd Rabbuh Mansur Haidi acusa os iranianos de armar a organização, mas especialistas dizem que ela não é tão financeiramente dependente assim de Teerã, obtendo armas no mercado negro e até mesmo, clandestinamente, do Exército do Iêmen.

 

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui