Justiça garante mandato a deputado Karlos Cabral

0
69

Autor de liminar que determinava o afastamento do deputado estadual Karlos Cabral (PDT), o juiz Élcio Vicente da Silva, da 3ª Fazenda Pública, revogou a própria medida, ontem (03) em favor do parlamentar. A liminar determinava o afastamento de Cabral da Assembleia Legislativa em favor de Cassiana Tormin, do PT de Luziânia.

karlos-cabral-alego

O afastamento de Karlos Cabral havia sido determinado na última quinta-feira (2), assim como a convocação da suplente petista. A assessoria de Cabral afirmou que o deputado está tranquilo com relação a qualquer decisão por que ele “não é afetado pela liminar já que o alvo é a Assembleia”.

Segundo a decisão do juiz, já existe jurisprudência em que foi negada liminar a suplente citada no processo. “Tomei conhecimento em consulta ao sistema informatizado do TJGO que há mandado de segurança impetrado contra o presidente da Assembleia Legislativa, a respeito da mesma matéria debatida nesses autos”, destaca o juiz. A liminar a que o juiz Elcio Vicente se refere foi indeferida pelo Desembargador Itamar Lima, de acordo com a decisão.

O juiz , ao revogar a liminar que afastava Karlos Cabral, informa que “em razão de processo anterior, para evitar a identificação das demandas, neste juízo quem litiga é o Partido dos Trabalhadores, por seu diretório, em ação sob procedimento comum, o que transparece evidente má-fé, pela escolha do juízo que melhor atenda seus interesses. Diante da gravidade dos fatos contatados, revogo a liminar e ordeno a intimação da parte para se manifestar, em 15 dias sobre os fatos”.

Karlos Cabral ficou na 1ª suplência do PT na eleição de 2014, e obteve 15.254 votos, mas optou pela filiação ao PDT, em setembro de 2015, para disputar a prefeitura de Rio Verde, no Sudoeste do Estado. Em dezembro de 2016, em razão da vitória do deputado Renato de Castro (ex-PT, hoje no PMDB) para a prefeitura de Goianésia, no Vale do São Patrício, Cabral foi convocado a assumir o mandato de deputado estadual. A posse lhe foi garantida pelo entendimento, já ratificado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de que a vaga pertence à coligação e não ao partido.

Cassiana Tormin aparece em 3º lugar na lista de suplentes do PT junto ao Tribunal Regional Eleitoral de Goiás. Ela somou 14.171 votos e obteve 943 votos a menos do que o 2º suplente Gugu Nader, que também não figura mais nos quadros do PT. Em 2016, já filiado ao PSB, Nader foi eleito vice-prefeito de Itumbiara, no Sul do Estado.

fONTE: O HOJE

criação de site