Lula quer mudar termos do acordo UE-Mercosul até fim de julho

0
58

Após se encontrar com o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o Brasil deseja alterar alguns termos do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul. Ainda assim, o petista estimou que as negociações tenham um desfecho até o final do semestre. “Vamos trabalhar de forma muito dura para que a gente possa concretizar esse acordo. Mas algumas coisas têm que ser mudadas”, declarou Lula em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (30/1), após o encontro com Scholz no Palácio do Planalto. “Nós vamos fechar esse acordo UE-Mercosul, se tudo der certo, até fim do semestre”, acrescentou.

No pronunciamento, Lula falou em achar um meio termo que “melhore para quem se sente prejudicado”. “Vamos sentar à mesa da forma mais aberta possível”, afirmou o petista. De acordo com o presidente, ao Brasil é muito cara a questão das compras governamentais, do que seria difícil abrir mão. “A compra governamental é uma forma de fazer crescer pequenas indústrias”, avaliou, ao lado de Scholz. O acordo UE-Mercosul está travado na ratificação nos países-membros do bloco europeu.

OCDE
O presidente também afirmou que o Brasil tem interesse em entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas negociando os termos. “O Brasil tem interesse em participar da OCDE. O que queremos é saber qual seria o papel do Brasil na OCDE”, declarou o presidente no Palácio do Planalto após se encontrar com o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz. “Nós estamos dispostos a discutir outra vez e queremos saber as condições”, acrescentou.

Agilidade
Na ocasião, o chanceler da Alemanha destacou que tanto o Brasil quanto seu país desejam avanços no acordo comercial União Europeia-Mercosul, hoje travado na etapa de ratificação pelos países-membros do bloco europeu. “Lula e eu concordamos que UE-Mercosul precisa de rápido avanço”, declarou.

De acordo com o líder alemão, é preciso haver uma união das democracias globais para condenar a invasão da Ucrânia, que foi tema da bilateral com Lula. O presidente brasileiro, porém, apesar de ter chamado a guerra de um “erro” da Rússia, salientou sua posição de que “quando um não quer, dois não brigam”. (Agência Estado)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui