Magistrada indefere pedido de reativação de HCamp de Águas Lindas

0
46

Pedido foi feito em ação civil pública da Defensoria Pública; pela queda na demanda por leitos, juíza não considera prudente que o Judiciário, determine a abertura de leitos “sem prévio amparo técnico acerca da sua compatibilidade com a demanda atual”

Pedido de tutela de urgência para reativar o Hospital de Campanha de Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, desativado pela União em outubro de 2020, foi negado pela juíza federal Gianne de Freitas Andrade, em substituição na 3ª Vara da Justiça Federal em Goiás. Solicitação de reativação foi feira por ação civil pública proposta pelas Defensorias Públicas da União e do Estado de Goiás.

Em relação à desativação do Hospital de Campanha de Águas Lindas, a Procuradoria-Geral do Estado de Goiás (PGE) argumentou que ele foi desativado diante da recusa da União em prorrogar o Acordo de Cooperação Técnica nº 01/2020, conforme documento juntado aos autos.

Para indeferir o requerimento, a magistrada acatou o argumento demonstrado nos autos pela PGE, de que houve uma substancial ampliação da oferta de leitos para tratamento de pacientes com Covid-19 no Estado. Esse aumento se deu, inclusive, com a instalação de nove hospitais destinados ao enfrentamento da pandemia – dos quais o único que não possuía estrutura permanente era o HCamp de Águas Lindas – e com a adoção de outras medidas.

A juíza ainda completa que, ao perceber certo decréscimo na demanda por leitos, ainda que a redução seja discreta, não é prudente que o Poder Judiciário, “determine a abertura de um dado número de leitos, sem prévio amparo técnico acerca da sua compatibilidade com a demanda atual decorrente do avanço da doença, do seu impacto financeiro no próprio combate da pandemia e da sua viabilidade diante da capacidade de operação do sistema de saúde”.

“Insta observar que, não obstante a desativação do Hospital de Campanha do Município de Águas Lindas de Goiás, o Governo do Estado de Goiás ampliou, desde o início da pandemia, de forma regionalizada, o número de leitos de enfermaria e de UTI. Também não se desconhece a implementação de medidas outras voltadas a conter a disseminação do novo coronavírus e, por conseguinte, desafogar o Sistema de Saúde, como, por exemplo, com a recente edição do Decreto 9.828, de 16/03/2021, pelo Governo do Estado de Goiás, que retomou o revezamento das atividades econômicas antes previstas no Decreto 9.653, de 19/04/2020, tendo em vista o agravamento da emergência em saúde pública decorrente da Covid-19”, concluiu a magistrada.

Medidas de combate à Covid-19

O Estado de Goiás demonstrou, nos autos, que não houve omissão, mas que foram adotadas medidas jurídicas e materiais para o enfrentamento da pandemia. Uma delas foi a priorização da construção e ampliação de estruturas permanentes, que, de acordo com pesquisas nacionais e internacionais, oferecem menos risco de contágio do que as estruturas provisórias de hospitais de campanha, que não têm a necessária vedação entre os ambientes para impedir a proliferação de vírus.

Em janeiro de 2020, havia no Estado 311 leitos de UTI. Esse número subiu para 432 em maio de 2020, e, atualmente, existem 924 leitos. Só os de UTI-Covid saltaram de 126 para 570, de maio de 2020 até abril de 2021.

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui