Maia critica quem quer “jogar para a galera” decisão de prisão após 2ª instância

0
153
O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito para presidente da comissão especial da Reforma Política durante reunião de instalação da comissão (Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta terça-feira o projeto que permite a prisão em segunda instância que está tramitando na Câmara . Sem citar senadores que defendem a aprovação de um projeto de lei diferente, mas com o mesmo objetivo, Maia criticou quem quer “jogar para a galera”.

“Agora se for para jogar pra galera, para aprovar qualquer coisa que depois o Supremo vai derrubar e vai continuar esse ciclo de insegurança para todos e morosidade do Judiciário a gente pode fazer cena, mas acho que o papel do Congresso é ter coragem de falar para as pessoas o que do nosso ponto de vista é o melhor encaminhamento nesse tema para se resolver de forma definitiva”, disse.

Maia afirmou que a proposta da Câmara dá mais segurança jurídica e, assim, representaria uma solução definitiva.

“O que nós acreditamos é que a forma constitucional dá mais segurança e o que resolve o problema definitivo é a PEC”, disse.

O projeto defendido por Maia é a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de autoria do deputado Alex Manente (Cidadania-SP), que foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e aguarda a instalação de uma comissão especial, que deve ocorrer na quarta-feira, segundo o presidente da Câmara. Nos bastidores, os nomes de Marcelo Ramos (PL-AM) para a presidência e Fábio Trad (PSD-MS) para a relatoria do projeto são os mais cotados.

A PEC modifica os artigos 102 e 105 da Constituição e acaba com os possíveis recursos especiais e extraordinários no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF) assim transformando decisões de segunda instância em trânsito em julgado.

Um grupo de senadores ainda defende, mesmo após um acordo entre os líderes das duas casas, a proposta que tramita na CCJ do Senado . O projeto de lei muda o Código de Processo Penal (CPP) e não a Constituição, como o da Câmara. Um projeto de lei necessita de menos etapas de tramitação no Congresso e, portanto, poderia ser aprovado de forma mais rápida.

Na chegada à sessão conjunta do Congresso na tarde desta terça, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi questionado sobre a votação de propostas que instituem prisão após condenação segunda instância e disse não saber “disso”, por estar cuidando da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de vetos e de projetos que seriam votados em seguida.

Indagado se acha possível que senadores consigam votar o projeto de lei que altera artigos do Código de Processo Penal na (CCJ) do Senado, Alcolumbre desconversou:

“A última informação que tenho foi a reunião na nossa residência, quando 12 líderes opinaram pelo apoiamento em relação à PEC da Câmara dos Deputados”, declarou, entrando no elevador rumo ao plenário da Câmara.

 

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui