Maioria em SP diz que estradas privatizadas são melhores que públicas

0
34

Para a maioria dos moradores de São Paulo, as estradas que foram privatizadas no estado são superiores às rodovias públicas em relação à qualidade.

É o que aponta pesquisa do Datafolha feita entre os dias 3 e 5 de abril. Segundo o levantamento, 70% dos entrevistados dizem que as vias que cobram pedágio são melhores do que as federais e estaduais —proporção que sobe para 77% entre os que dizem trafegar por essas estradas.

A pesquisa, realizada em 65 municípios de todas as regiões do estado de São Paulo, entrevistou presencialmente 1.806 pessoas acima de 16 anos. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

De acordo com o Datafolha, a minoria (6%) diz que a privatização das rodovias não mudou a situação em relação ao que era antes, enquanto 15% afirmam que a qualidade piorou. Outros 10% não sabem.

Os dados refletem a percepção medida pela pesquisa de que é melhor uma estrada com pedágio, com mais recursos para asfalto de qualidade e boa sinalização do que o contrário. A grande maioria (89%) concorda com a afirmação.

Contudo, apesar da boa avaliação, os paulistas dizem ser contra a privatização de estradas vicinais —rodovias com pista simples, que ligam cidades ou bairros.

A maioria (55%) não concorda com a cobrança de pedágio para melhorar as condições dessas estradas, enquanto 42% apoiam.

O Datafolha também questionou se os entrevistados costumam usar os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e de Viracopos, em Campinas.

A grande maioria disse não ter esse hábito: 72% não costumam pegar voos em Cumbica, e 87% em Guarulhos.

Como a maioria da amostra não frequenta os terminais, a avaliação geral sobre a qualidade dos serviços após a privatização ficou dividida.

Contudo, entre os usuários, a percepção tende a ser positiva. Para a maioria dos entrevistados que costumam pegar voo em Cumbica (53%), a concessão para a iniciativa privada foi ótima ou boa. Outros 26% avaliam como regular, e 12% como ruim ou péssima.

Entre os usuários de Viracopos, 56% dizem que a privatização foi positiva. Um em cada quatro (25%) acha que foi regular, e 10% avaliam negativamente.

O Datafolha ainda perguntou como os entrevistados avaliam empresas de energia como CPFL, Eletropaulo e Cesp, que foram privatizadas pelo estado de São Paulo na década de 1990: para 39%, a privatização foi ótima ou boa, 29% veem como regular, e outros 24% como ruim ou péssima. Dizem não saber 8%.

A aprovação tende a ser maior entre os que têm 60 anos ou mais (42%), com ensino superior completo (44%), e que recebem entre cinco e dez salários mínimos (51%).

Folha de São Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui