Morre Elisio, o pedreiro de vidas e o xerife da cidadania

0
26
É com tristeza, que a AGI anuncia o falecimento de um dos seus mais honoráveis associados, Elísio Gonzaga da Silva, aos 79 anos de idade, em decorrência de complicações renais, resultantes de um câncer, contra o qual lutou nos últimos 18 meses. Elísio Gonzaga deixa viúva, Cleusa, com quem era casado há 40 anos, as filhas Eliane e Eloisa, e os netos Lorena, Elísio e Gabriel, e a única irmã viva Eldimizia.
A morte aconteceu no início dessa madrugada, quarta-feira, dia 18, por volta dos cinco minutos de hoje, no Hospital do Rim, em Goiânia., onde estava internado há cinco dias. O velório está acontecendo na Casa Funerária Paz Universal, localizada à avenida Castelo Branco, nas imediações da Praça do Cigano, no Setor Coimbra. Parte dos ritos fúnebres se encerrará às 15 horas, quando o corpo será transladado para o Cemitério Jardim das Palmeiras, onde será sepultado, às 16 horas.
Elísio Gonzaga era auditor fiscal da Prefeitura de Goiânia e presidente da Associação dos Auditores de Tributos do Fisco Municipal de Goiânia (Affim), nos 15 anos. Aliás, a categoria tributária do município foi uma de suas grandes lutas, não penas pelo reconhecimento jurídico, mas, também, ajudou a conquistar a o código de regulamentação da categoria, pelo qual ficam explicitas as suas atribuições.
Como servidor público por 36 anos, comando a estruturação da classe de servidores de conseguindo que passagem a ser estatutários e não mais em regime de CLT, nos anos de 1960. Como presidente da Associação dos Funcionários da Prefeitura de Goiânia, equiparou as pensões das viúvas dos servidores falecidos, conquistou o 13º salário, tornando o primeiro município brasileiro a conceder o benefício, criou a farmácia da entidade, construiu Colônia de Férias dos Funcionários, em 1985, Aruanã. Implantou os serviços médico e odontológico, além de ter promovido e comando cerca de 40 greves.
Como presidente da Cooperativa Habitacional dos Servidores Civis no Estado de Goiás, a partir de 1984, construiu a 1ª Etapa do Conjunto Parque Atheneu, com 873 casas, escola e uma cresce. Nos 15 anos subsequentes, edificou outras 2.174 moradias, como Jardim Guanabara II, Residencial Vivaldi (Alto da Glória), Residencial Paineiras (Balneário Meia Ponte), Residencial Carmel (Próximo ao Buriti Shopping) e Residencial Solar Ville (Saída para Inhumas), beneficiando 15.235 famílias.
Todavia, uma das mais marcantes ações de Elísio Gonzaga tenha sido o seu trabalho para a implantação do Código do Consumidor, sete meses depois da sua sanção pelo Planalto, em setembro de 1990. Superintendente do Procon Goiás, transformou o estado em segundo mais atuante na luta por reconhecimento dos direitos do consumidor, chegando a ser destaque na Revista Exame, pela qual foi denominado o Xerife Cidadão (referência utilizada em sua biografia, Elísio Gonzaga, o Xerife da Cidadania, autoria de Carla Monteiro).
Desde a década de 1990, era membro da Loja Cavalheiros da Harmonia nº 41, do Oriente de Goiânia. Um dos amigos, o vereador e líder da administração municipal, Anselmo Pereira, assegura que uma parcela significativa da sociedade goianiense foi auxiliada por Elísio Gonzaga. Ele se recorda da construção do núcleo original do Santuário Basílica Sagrada Família, na Vila Canaã, cujo terreno foi viabilizado pelo Elisio, um católico praticante. “Morador da Canaã, ele ouviu os moradores e conseguiu descobrir um terreno capaz de sedear o templo. Organizou a papelada e os trâmite, para que a área ficasse no nome da Arquidiocese de Goiânia, recentemente estruturada, com dom Antônio Gomes. Em maio de 1980 foi celebrada a primeira missa no espaço, como o próprio arcebispo.
O presidente da AGI, Valterli Guedes, também, se recorda do árduo trabalho jornalístico desempenhado por Elísio Gonzaga. “Além de trabalhar na prefeitura, ele ainda encontrava tempo para atuar como repórter, no período da noite, primeiro como folguista e depois como efetivado, nos idos da década de 1960/1970. Dinâmico e ético, era um dos profissionais como mais fontes. Era um amigo querido, como prosa cativante”.
Tarzan de Castro, presidente do Conselho da AGI, e o ex-secretário municipal e estadual Valdivino José de Oliveira, lembram do amigo pescador, com o qual pescaram e conviveram nos últimos 50 anos. “Era tão organizado, que tinha tralhas para cada tipo de pescaria”, lembra-se Tarzan. “Vez ou outra, pescávamos juntos, no Alto Araguaia. Mas as pescas memoráveis sempre foram as realizadas no Pantanal, onde nos valíamos dos barcos-hotéis, nos quais podíamos levar nossas esposas e realizar uma pesca mais qualificada”, conta Valdivino.
A Prefeitura de Goiânia, decretou três dias de luto, além de divulgar uma nota, assinada pelo prefeito Rogério Cruz.
NOTA DE PESAR
Goiás perde um de seus grandes líderes, que teve participação decisiva no desenvolvimento da capital, um dos responsáveis diretos pela modernização dos serviços públicos. Eu e minha esposa, Thelma Cruz, recebemos com imensa consternação e pesar, nesta manhã de quarta-feira (18/01), a notícia do falecimento de Elísio Gonzaga da Silva, aos 79 anos, presidente da Associação dos Auditores de Tributos do Fisco Municipal de Goiânia (Affim), considerado o mais antigo colaborador do município.
Decretamos luto oficial por três dias em memória do fundador da Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Goiânia, em 28 de agosto de 1964, que seria transformado no atual Sindicato dos Trabalhadores do Município de Goiânia (SindiGoiânia), em 1º de setembro de 1989.
Integrante da Federação Nacional dos Auditores e Fiscais de Tributos Municipais (Fenafim). Foi Elísio Gonzaga quem idealizou a transformação do posto de fiscal de tributo para auditor tributário e a sua inserção como carreira típica de Estado, um feito inédito. As mudanças foram adotadas por todas as unidades da Federação. Nestas iniciativas, o autor das proposituras foi do nosso atual líder na Câmara Municipal, vereador Anselmo Pereira.
Tive o prazer de conviver com Elísio Gonzaga desde quando me tornei vereador, em 2012. Sempre em busca dos direitos dos servidores, nos brindava com a experiência de quem participou da formação da estrutura administrativa da capital.
Natural de Bela Vista de Goiás, chegou a Goiânia aos 9 anos de idade. O pai, Clarimundo Monteiro da Silva, foi um dos primeiros servidores da recém-fundada capital. Pedreiro, ele foi responsável, com muita competência, por diversas frentes de obra, inclusive em funções que hoje seriam exercidas por arquitetos e engenheiros, mas que o município não dispunha, à época. Com a morte do pai, a família ficou desamparada, uma vez que, até então, inexistiam direitos sociais e trabalhistas consolidados para os servidores do município. Diante da realidade, os colegas se organizaram para pedir ao prefeito João de Paula Teixeira Filho a contratação de Elísio, que tinha apenas 14 anos, para o posto de mensageiro.
O primeiro contrato registrado com a Prefeitura de Goiânia data de 1946. A partir daí, se tornou o mais dinâmico servidor público, com trabalho reconhecido por todos os gestores, ao mesmo tempo em que se consolidava como líder da categoria em contínua defesa dos direitos. Alcançou inestimáveis conquistas. Veio a se aposentar em 1995, no mais alto cargo da hierarquia funcional, como auditor dos tributos do município.
Auxiliou na transição que resultou na autonomia administrativa de Goiânia, como chefe da Seção de Cálculo e Controle de Tributos, com apenas 18 anos de idade. Foi um dos muitos desafios que iria superar, na administração municipal, sempre com maestria e resiliência.
Recentemente, no dia 19 de dezembro de 2022, estive ao lado de Elísio Gonzaga para a sanção de mais uma conquista histórica, a lei complementar que disciplina a carreira do cargo de auditor de tributos, ativos, inativos e pensionistas, do quadro da administração pública municipal.
Fui recebido na sede da Affim por um líder que manteve, em toda a trajetória, a disposição para o diálogo, a diplomacia e a alta qualidade técnica das proposituras.
Tive a última oportunidade de ouvir conselhos, de pessoalmente testemunhar o amor e a gratidão que sentia pela Prefeitura de Goiânia, a que dedicou sua vida, e, principalmente, pela nossa população, com quem compartilhou conquistas de dimensão que contribuem, até os dias atuais, para que a capital se torne cada vez mais pujante e inovadora.
Membro da Loja Maçônica Cavalheiros da Harmonia, idealizou a Comenda da Ordem Maçônica José Bonifácio, pioneira em Goiânia, e que se irradiou para todos os estados brasileiros.
Elísio Gonzaga escreveu, com as próprias ações, a história de Goiânia, ao lado dos grandes estadistas que se caracterizaram pela capacidade, sabedoria, inteligência e coragem para dar o passo adiante que transforma realidades e garante o bem-estar coletivo.
À esposa, Cleusa Batista Oliveira, às filhas Eliane Gonzaga e Eloisa da Silva, aos netos Lorena, Elísio Garcia e Gabriel, recebam os sentimentos e a solidariedade da população de Goiânia que sabe reconhecer a relevância história de um líder que sempre se guiou pelos caminhos do bem, da ética, da honradez e do elevado espírito público.
Elevamos o pensamento a Deus para que console familiares, servidores e amigos neste momento de grande dor e tristeza. Recebam o nosso fraterno abraço.
Rogério Cruz
Prefeito de Goiânia
Fonte : AGI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui