O que se sabe sobre quedas de torres elétricas com ‘indícios de vandalismo e sabotagem’

0
53

Três torres de transmissão de energia elétrica caíram, com “indícios de vandalismo e sabotagem”, em diferentes locais do país, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

As quedas ocorreram entre a noite de domingo (8/1) e a madrugada de segunda-feira (9/1), após as invasões e atos de vandalismo em Brasília, mas não está claro se as quedas têm relação com o ocorrido na capital. Não houve interrupção no fornecimento de energia.

Um gabinete de crise foi criado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), sob a coordenação da Aneel, para garantir a segurança do sistema elétrico após os episódios.

O ONS afirmou que está adotando medidas “tradicionalmente implementadas em eventos especiais como, por exemplo, Eleições e Copa do Mundo e Olimpíadas”.

“Ao longo do trabalho de monitoramento, o Operador foi comunicado de quedas de torres, mas nesta época do ano de condições climáticas severas, o incidente pode ser considerado normal. Neste momento, as causas estão sendo investigadas pelos respectivos agentes”, disse o ONS.

O MME disse em nota que acompanha desde 1º de janeiro eventos com indícios de vandalismo nos setores de energia elétrica, mineração e combustíveis.

“Um grupo de trabalho segue monitorando e subsidiando com informações necessárias às decisões para assegurar o suprimento energético e a preservação da cadeia mineral. Paralelamente, foram acionados os órgãos de segurança federais e estaduais de modo a apurar e prevenir novos atos.”

O que aconteceu?

Torre de energia

GETTY IMAGES – Fornecimento de energia não foi afetado

A primeira queda ocorreu em Rondônia, na linha de transmissão entre Samuel (AC) e Ariquemes (RO), operada pela Eletronorte, às 21h30 de domingo.

Houve ainda uma “torção” em duas torres adjacentes, segundo a Aneel. O boletim da agência afirma que “há indícios de vandalismo”. Por sua vez, a Eletronorte afirmou que a torre foi “derrubada”, com “indícios de sabotagem”.

“A Eletronorte informa ainda que atua também no encaminhamento de informações e registro de ocorrência policial para que os órgãos competentes apurem os fatos e identifiquem os responsáveis”, disse a companhia.

A segunda queda, também com “indícios de vandalismo”, de acordo com a Aneel, foi registrada na cidade de Medianeira, no Paraná, na linha de transmissão operada por Furnas entre Foz do Iguaçu (PR) e Ibiúna (SP).

Também foram danificadas três outras torres próximas. Segundo a agência, “não foram identificadas condições climáticas adversas que possam ter causado a queda de torres”.

A terceira queda ocorreu às 00h40 na linha de transmissão do Complexo do Madeira, que conecta as usinas hidrelétricas de Jirau, em Porto Velho (RO), e Santo Antônio, em Sertãozinho (SP).

De acordo com a Aneel, a Evoltz, empresa responsável pela linha, informou que “há indícios de sabotagem” na queda da torre, após ter sido verificado o corte de dois estais (cabos que dão sustentação à estrutura).

De acordo com a ONS, não há previsão de quando a operação das linhas será normalizada após as quedas em Rondônia e na linha do Madeira. Na linha de Furnas, a expectativa é que isso ocorra até o próximo dia 13.

Após as quedas, foi criado um Gabinete de Acompanhamento da Situação do Sistema Elétrico, sob a coordenação da Aneel, para monitorar “informações referentes a qualquer tentativa de ataque ou efetivo vandalismo, tanto sob o aspecto de integridade física como também cibernética das instalações”.

A ONS também informou ao MME e à Aneel que passou a realizar uma “operação diferenciada para aumento da segurança eletroenergética”.

As medidas incluem aumentar o envio de energia entre regiões do país “visando minimizar ou mesmo evitar atuação dos esquemas especiais de proteção, sempre que possível”.

BBC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui