PM mata a tiros ex-companheira e comete suicídio em Osasco

0
79

O policial militar Daniel Piauí da Costa, de 31 anos, assassinou a tiros a ex-mulher, Suelma de Sousa Oliveira, também de 31, e cometeu suicídio em Osasco, na região metropolitana de São Paulo, na manhã desta quinta-feira, 9.

Segundo os depoimentos de parentes e vizinhos à Polícia Civil, Suelma havia se separado de Costa após descobrir uma traição, mas o PM não aceitava o fim do relacionamento e se negava a deixar o apartamento onde viviam no bairro Portal d’Oeste.

 

Em mais de uma ocasião, o agente teria ameaçado se matar caso Suelma não reatasse a união, mas não havia registros de intimidações ou agressões contra ela. Antes do crime, os dois discutiram.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo informou que uma arma foi apreendida e encaminhada para perícia. A pistola de calibre .40 pertence à Polícia Militar e era usada por Costa em serviço.

O caso foi registrado como feminicídio e suicídio pelo 10º Distrito Policial (Jardim Helena Maria) de Osasco.

Aumento dos casos de feminicídio no Estado de São Paulo

Em 2019, o número de casos de feminicídio cresceu 28% na comparação com 2018. Segundo estatísticas da SSP, foram 155 registros de janeiro a novembro do ano passado, contra 121 no mesmo período de 2018. Os dados de dezembro de 2019 ainda não foram fechados – no mesmo mês de 2018, foram 15 casos, totalizando 136 ocorrências de feminicídio naquele ano.

A Lei do Feminicídio – que prevê penas mais altas para condenados por assassinatos decorrentes de violência doméstica ou por discriminação e menosprezo à mulher – entrou em vigor em 2015.

A lei classifica esses homicídios como hediondos, dificultando, por exemplo, a progressão da pena do condenado, além de elevar em até um terço a pena final do réu. Mas muitos dos crimes passíveis de enquadramento como feminicídio ainda não são registrados assim, dizem especialistas.

Leia Mais

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui