STF manda Goiás suspender pagamento de pensões especiais que custam mensalmente R$ 3,7 milhões e beneficiam 174 pessoas

0
101

Acatando ação direta de constitucionalidade proposta pelo procurador-geral da República, Agusto Aras, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou inconstitucional as leis que permitem o pagamento de pensões especiais em Goiás. O relator do processo, o ministro Ricardo Lewandovisk, que teve o voto seguido a unanimidade, entendeu que o Estado invadiu a competência da União ao legislar sobre seguridade social.

Atualmente, o Estado gasta R$ 3,7 milhões por ano para pagamento de pensões especiais a 174 pessoas. As pensões variam de R$ 700 a R$ 21,3 mil, de acordo com o Portal da Transparência. O ministro deu prazo de um mês para que os benefícios deixem de ser pagos.

As pensões especiais estão previstas nas Leis estaduais 11.280/1990, 11.642/1991 e 18.306/2013, que dispõem de hipóteses de pensão especial, com natureza assistencial, para pessoas com rendimento insuficiente acometidas por doença ou com deficiência que impossibilite ou dificulte o exercício de atividade laboral, sem necessidade de contribuição prévia.

As legislações também concedem benefício a quem tiver prestado relevantes serviços ao estado ou a determinada comunidade local e não tenha direito a proventos de aposentadoria ou pensão previstos em lei estadual, assim como dependentes. Por fim, as normas preveem a concessão, a juízo exclusivo do governador, às pessoas em situação excepcional, em razão de caráter eminentemente humanitário.

Desvio de finalidade

Na ação, o procurador-geral sustentou que a criação de pensão especial de natureza assistencial por leis estaduais é inconstitucional e que a concessão de benefício pelo governador, sem necessidade de apontar uma causa legítima, pode propiciar desvios de finalidade da norma e privilégios, em afronta à Constituição Federal. Segundo o PGR, ex-políticos e seus familiares estão entre os beneficiários.

Competência da União

Para Augusto Aras, as leis goianas também ferem a competência da União para dispor de forma privativa sobre seguridade social (artigo 22, inciso XXIII, da Constituição Federal). Ele observou que em matéria de seguridade social, a União somente partilha, de forma concorrente com os estados e o Distrito Federal, questões ligadas à previdência social. Segundo o procurador-geral, a União já legislou sobre a matéria, ao editar a Lei de Organização de Assistência Social – LOAS (Lei 8.742/1993) e a Lei de Seguridade Social (Lei 8.212/1991).

Benefício infundado

Ao analisar o caso, o ministro entendeu serem mesmo inconstitucionais as normas, a começar pela invasão da competência da União. Ele ponderou que a forma com o que o texto define quem pode receber a pensão especial abre “margem para concessões arbitrárias1. Para Lewandowski, o benefício é infundado, sem sentido e destituído de justificativa razoável, visto que não prestigia nenhum valor, interesse público ou projeto de lei de relevância social deduzível do texto constitucional”.

ADI 6559

criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui