Técnica de enfermagem morre com Covid-19 esperando vaga de UTI em SC

0
156

Zeni Bueno Pereira, de 53 anos, morreu na sexta-feira (26), em Itapema, no Litoral Norte. Ela trabalhava na linha de frente contra o coronavírus.No início da manhã deste domingo (28), 99 pacientes aguardavam um leito de UTI.

O Conselho Regional de Enfermagem de Santa Catarina (Coren-SC) confirmou no sábado (27) a morte de uma técnica de enfermagem que esperava por um leito na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para tratar os sintomas da Covid-19. Zeni Bueno Pereira, de 53 anos, morreu na sexta-feira (26), em Itapema, no Litoral Norte. Ela trabalhava na linha de frente contra o coronavírus.

“Zeni cuidava a vida toda de pessoas, lutava pela vida das pessoas e no final não teve direito a um leito de UTI”, diz Gelson Albuquerque, presidente do Conselho Regional de Enfermagem.

Ela foi uma das 16 pessoas que morreram à espera de uma vaga de UTI.

Segundo o Coren, a mulher foi internada no início da semana em Itapema com um um quadro grave. Ela estava na enfermaria, mas aguardava a vaga na UTI para ser intubada. No início da noite de sexta, um leito vagou no Hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, na mesma região, mas Zeni morreu antes de ser transferida.

No início da manhã deste domingo (28), 99 pacientes aguardavam um leito de UTI, segundo dados internos da Secretaria de Estado da Saúde (SES) aos quais o G1 SC teve acesso. Os que esperam na fila têm entre 15 e 50 anos.

A profissional de saúde trabalhava no Centro Integrado de Saúde (CIS), em Itajaí. Ao longo da pandemia, ela atuou no combate à Covid-19. De acordo com o Coren, Zeni não tinha comorbidades.

Espera por leito

 

No início da manhã, 99 pacientes aguardavam um leito de UTI. As regiões com mais solicitações eram Grande Oeste, com 53 pessoas na espera e Norte/Nordeste, com 19.

Além dos pacientes apontados nos dados internos da Secretaria, pode haver mais pessoas aguardando, pois são enviados somente pedidos de internação de pacientes com condição de transporte para longas distâncias no caso das transferências. Doentes internados em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) não entram na fila, por exemplo, já que precisam passar por um hospital para estabilização.

A unidade de saúde com mais solicitações nesta manhã era o Hospital São Paulo, em Xanxerê, no Oeste, com 26 pessoas na fila. Na cidade, quatro pessoas morreram esperando leitos de UTI. A última vítima foi um homem de 63 anos, que faleceu na manhã deste domingo.

Fonte: G1
criação de site

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui