terça-feira, maio 28, 2024
spot_img
HomeDestaqueCientistas revelam rosto de mulher neandertal que viveu há 75 mil anos

Cientistas revelam rosto de mulher neandertal que viveu há 75 mil anos

Uma mulher de cerca de 40 anos  “neandertal” foi enterrada em uma caverna há 75 mil anos, colocada para descansar em uma cavidade esculpida para acomodar seu corpo. Sua mão esquerda estava enrolada sob a cabeça, e uma pedra atrás de sua cabeça pode ter sido colocada como um apoio.

Conhecida como Shanidar Z, em referência à caverna no Curdistão Iraquiano onde foi encontrada em 2018, a mulher era uma neandertalum tipo de ser humano antigo que desapareceu cerca de 40 mil anos atrás.

Cientistas estudando seus restos mortais montaram cuidadosamente seu crânio a partir de 200 fragmentos ósseos, um processo que levou nove meses. Eles usaram os contornos do rosto e do crânio para guiar uma reconstrução e entender como ela poderia ter parecido.

A impressionante recriação é destaque em um novo documentário “Segredos dos Neandertais”, produzido pela BBC para a Netflix, que chega ao streaming nesta quinta-feira (2).

Com cristas supraorbitais pronunciadas e sem queixos, os crânios dos neandertais parecem diferentes dos de nossa própria espécie, Homo sapiens, disse Emma Pomeroy, uma paleoantropóloga e professora associada do departamento de arqueologia da Universidade de Cambridge, que descobriu o esqueleto e aparece no novo filme. A reconstrução facial de Shanidar Z sugere que essas diferenças podem não ter sido tão marcantes na vida, disse Pomeroy.

“Há um pouco de licença artística lá, mas no cerne está o crânio real e dados reais sobre o que sabemos dessas pessoas”, disse ela.

“Na verdade, ela tem um rosto bastante grande para o tamanho dela”, acrescentou Pomeroy. “Ela tem cristas supraorbitais bastante grandes, o que normalmente não veríamos, mas acho que vestida com roupas modernas você provavelmente não olharia duas vezes.”

Os Neandertais viveram em toda a Europa, Oriente Médio e Montanhas da Ásia Central por cerca de 300 mil anos, se sobrepondo aos seres humanos modernos por cerca de 30 mil anos. Análises do DNA de seres humanos atuais revelaram que, durante esse tempo, Neandertais e Homo sapiens ocasionalmente se encontraram e se cruzaram.

Nova análise

Quando Pomeroy primeiro escavou o esqueleto, o sexo não era imediatamente óbvio porque apenas a metade superior do corpo estava preservada. Faltavam os ossos pélvicos reveladores. A equipe que inicialmente estudou os restos mortais dependeu de uma técnica relativamente nova envolvendo a sequenciação de proteínas dentro do esmalte dos dentes para determinar o sexo de Shanidar Z, que é revelado pela primeira vez no documentário.

Esses pesquisadores das universidades de Cambridge e Liverpool estimaram que a altura do espécime fosse em torno de 1,5 metro comparando o comprimento e o diâmetro dos ossos do braço com dados sobre seres humanos modernos. Uma análise do desgaste nos dentes e ossos sugeriu que ela tinha cerca de 40 anos no momento de sua morte.

“É uma estimativa razoável, mas não podemos ter certeza absoluta, na verdade, de que ela não era mais velha”, disse Pomeroy. “O que podemos dizer é que esta é alguém que viveu uma vida relativamente longa. Para aquela sociedade, provavelmente teriam sido bastante importantes em termos de seu conhecimento, sua experiência de vida.”

A caverna onde Shanidar Z foi enterrada é bem conhecida entre os arqueólogos porque um túmulo de neandertal descoberto em 1960 levou os pesquisadores a acreditar que os neandertais podem ter enterrado seus mortos com flores — o primeiro desafio à visão predominante de que os humanos antigos eram brutos. Pesquisas subsequentes pela equipe de Pomeroy, no entanto, lançaram dúvidas sobre essa teoria de enterro com flores. Em vez disso, eles suspeitam que o pólen descoberto entre os túmulos possa ter chegado através de abelhas polinizadoras.

Ainda assim, ao longo dos anos, os cientistas encontraram evidências crescentes da inteligência, sofisticação e complexidade dos neandertais, incluindo arte, cordas e ferramentas.

Os neandertais retornaram repetidamente à Caverna de Shanidar para enterrar seus mortos. Os restos de 10 neandertais foram desenterrados no local, metade dos quais parecem ter sido enterrados deliberadamente em sucessão, descobriu a pesquisa.

Os neandertais podem não ter honrado seus mortos com buquês de flores, mas os habitantes da Caverna de Shanidar provavelmente eram uma espécie empática, sugere a pesquisa. Por exemplo, um neandertal masculino enterrado lá era surdo e tinha um braço paralisado e trauma na cabeça que provavelmente o deixou parcialmente cego, mas viveu muito tempo, então deve ter sido cuidado, de acordo com a pesquisa.

Shanidar Z é o primeiro neandertal encontrado na caverna em mais de 50 anos, disse Pomeroy, mas o local ainda pode fornecer mais descobertas. Durante as filmagens do documentário em 2022, Pomeroy descobriu uma omoplata esquerda, algumas costelas e uma mão direita pertencentes a outro neandertal.

“Acho que nossa interpretação no momento”, ela disse, “é que na verdade estes são provavelmente os restos de um único indivíduo, que então foram perturbados.”

Reconstruindo o crânio

Pomeroy descreveu a reconstrução do crânio de Shanidar Z, que foi esmagado relativamente logo após a morte, como um “quebra-cabeça tridimensional de alto risco”. Os ossos fossilizados foram endurecidos com uma substância semelhante a cola, removidos em pequenos blocos de sedimento de caverna e envolvidos em papel alumínio antes de serem enviados para a Universidade de Cambridge para análise.

No laboratório de Cambridge, os pesquisadores fizeram microtomografias computadorizadas de cada bloco e usaram as imagens para guiar a extração de fragmentos de ossos. A colega de Pomeroy, Lucía López-Polín, uma conservadora arqueológica do Instituto Catalão de Paleontologia Humana e Evolução Social na Espanha, juntou mais de 200 pedaços de crânio manualmente para devolvê-lo à sua forma original.

A equipe digitalizou e imprimiu em 3D o crânio reconstruído, que serviu de base para uma cabeça reconstituída criada pelos paleoartistas dinamarqueses Adrie e Alfons Kennis, irmãos gêmeos que criaram camadas de músculo e pele fabricados para revelar o rosto de Shanidar Z.

Pomeroy disse que a reconstrução ajudou a “fechar essa lacuna entre a anatomia e 75 mil anos de tempo”.

CNN

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments