terça-feira, maio 28, 2024
spot_img
HomeBrasilAluno morto após agressão em escola paulista queria defender amigos de bullying,...

Aluno morto após agressão em escola paulista queria defender amigos de bullying, diz mãe

Michele Teixeira, mãe do adolescente Carlos Teixeira, de 13 anos, que morreu uma semana após dois estudantes pularem sobre as suas costas em uma escola estadual em Praia Grande, no litoral de São Paulo, afirma que o filho não quis deixar a Escola Estadual Julio Pardo Couto, em Praia Grande, no litoral paulista, porque queria proteger os amigos menores de bullying.

“Ele falou assim: Mãe, eu não quero sair porque eu sou o maior da minha turma’. Falava isso porque os amigos dele eram menores, pequenininhos, e ele era grandão pela idade que tem. Ele falou que queria defender os amigos. Ele falou: mãe, eu quero ficar forte”, declarou Michele Teixeira ao Fantástico deste domingo, 28.

A família diz que a morte seria decorrente de agressões. A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso, que é apurado também pela Secretaria Estadual de Educação.

A vítima tinha completado 13 anos no dia 7 de abril, dois dias antes das agressões. Segundo o pai do adolescente, o estudante contou que no último dia 9, foi chamado à escola e informado por uma funcionária que seu filho havia caído da escada.

Em casa, o filho começou a chorar de dores e desmentiu a versão da queda, contando que havia sido agredido por dois colegas. Ele disse que foi arrastado para o banheiro, onde foi derrubado por um deles. Os dois pularam sobre suas costas.

Um vídeo divulgado pela família e obtido pelo Estadão mostra o pai questionando o filho sobre o ocorrido na escola no dia 19 de abril. Ele pergunta sobre a agressão e quer saber o nome do agressor. “Ele pulou em cima de tu?”, pergunta. “É”, responde o adolescente. “Te machucou e está com falta de ar”, prossegue o pai. “Eu estou, quando respiro dói as costas”, acrescenta o menino, chorando. “E tu nem estava brincando com eles?”, insiste o pai. “Não”, diz a vítima.

Na segunda-feira, a família decidiu levar o garoto para a UPA Central de Santos, onde ele foi internado e precisou ser entubado. No dia seguinte, ele foi transferido em estado grave para a Santa Casa de Santos, onde teve três paradas cardiorrespiratórias e morreu.

A advogada da família do estudante, Amanda Mesquita, disse que o pai levou o filho três vezes à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Praia Grande e em todas as ocasiões ele foi medicado e liberado, mas os sintomas se agravaram.

Ao programa da Globo, a prefeitura informou que abriu um “processo administrativo para apurar os procedimentos adotados nos atendimentos. E se for constatada alguma irregularidade, as providências cabíveis serão tomadas”.

Os estudantes suspeitos de agredir Carlinhos fazem parte de um grupo que já atacou outro aluno no banheiro da mesma escola, de acordo com a mãe de outro aluno ouvido no programa. Ela afirmou ter relatado as agressões aos educadores, que não tomaram providências. O menino conta que não quer mais sair de casa e que está apavorado com o que aconteceu.

Michele Teixeira responsabiliza a escola pela morte do filho. “Um adulto vê as crianças apanhando, não só o meu filho, e fechar os olhos, fingir que nada aconteceu”, afirmou.

O gestor do Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, Thomás Resende, diz que a pasta instaurou uma comissão para apuração dos fatos e eventuais responsabilidades. “A gente está no início dos trabalhos, mas a realidade atual é de que nenhuma evidência, nem por vídeo monitoramento, nem por oitivas realizadas, trazem informação de que aconteceu alguma coisa dentro do ambiente escolar no dia 9 de abril.”

Sobre a agressão ocorrida em março, a Seduc-SP informou ao Estadão que, na época, ao tomar ciência do caso, a gestão escolar acionou o Conselho Tutelar e os responsáveis do aluno.

Os investigadores já têm os nomes da maioria dos alunos que participaram das agressões contra Carlinhos. O inquérito apura se houve homicídio com dolo eventual, quando a pessoa assume o risco de matar. A polícia aguarda o resultado da perícia para definir a causa da morte.

Como a investigação envolve menores, os alunos supostamente envolvidos na agressão não tiveram as identidades reveladas, o que impede a reportagem de ter acesso à defesa deles.

Estadão

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments