terça-feira, maio 28, 2024
spot_img
HomeBrasilLewandowski sinaliza com revisão de regras sobre acesso a armas após cobrança...

Lewandowski sinaliza com revisão de regras sobre acesso a armas após cobrança de bancada da bala

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, sinalizou nesta terça-feira, 16, em audiência na Comissão de Segurança Pública da Câmara que a pasta pode rever as regras editadas pelo governo petista que restringiram a atuação de Caçadores, Atiradores e Colecionadores de armas, os chamados CACs. Entre os pontos passíveis de revisão, está a medida que proíbe o funcionamento de clubes de tiros próximos a instituições de ensino.

Lewandowski disse ainda não ser contra debater uma mudança do entendimento sobre armas de calibre 9 mm. No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), elas voltaram a ser de uso restrito apenas para forças policiais e militares. “É uma questão técnica que, ao meu ver, pode ser discutida, rediscutida. E vamos discutir”, disse o ministro.

Também pode ser revisada a atual norma que exige que CACs comprovem “habitualidade” de uso das armas de cada um dos calibres para os quais tiverem autorização do Exército.

Todas essas demandas já haviam sido apresentadas ao ministro pelo presidente do colegiado, em março, o deputado Alberto Fraga (PL-DF). Nesta terça-feira, alguns dos pleitos foram reforçados pelo deputado Paulo Bilynskyj (PL-SP). Ele chamou de “sem pé nem cabeça” a determinação que impede os clubes de tiro em um raio de 1 quilômetro de escolas.

O ministro disse que já havia recebido de Fraga as “fragilidades” das regras atuais e que é “razoável” a discussão sobre os critérios de habitualidade.

Os pontos que poderão entrar em revisão também são pleitos da indústria de armas. Representantes de fabricantes de armas e munições têm circulado no Congresso e cobrado parlamentares para que pressionem o governo por mudanças nas regras.

No caso da habitualidade, por exemplo, os armamentistas se queixam que a regra atual inviabiliza a atividade de atirador e oferece riscos aos CACs que precisam ir muitas vezes aos clubes de tiro com seus equipamentos. O trânsito ofereceria riscos e custos elevados aos proprietários.

Conforme dispositivos de um decreto de Lula, de julho, e de uma portaria do Exército, de dezembro, os atiradores precisam comprovar de oito a vinte treinamentos por ano e até seis competições, a depender do nível em que se encontram. Nos casos em que um CAC tem autorização para ter vários calibres, essas comprovações de treinamento devem ser multiplicadas para cada calibre de arma registrado.

‘Lula sancionou 90% do projeto das saidinhas’, diz Lewandowski

Logo no início da sessão, deputados de oposição cobraram explicações do ministro também sobre veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao projeto que acabava com as ‘saidinhas’ de presos. Na semana passada, Lula vetou parcialmente a proposta para manter o direito de presos a visitar familiares, desde que não tenham sido condenados por crimes cometidos com grave ameaça e violência.

O ministro da Justiça optou por destacar aos deputados que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manteve a maior parte das mudanças promovidas pelo Congresso. De acordo com Lewandowski, o Palácio do Planalto “sancionou 90% ou mais desse projeto de lei”. Ele explicou que o veto se limitou ao trecho que impedia a saída temporária dos presos para visitar os familiares por compreender que a proposta “contraria princípios irrevogáveis da Constituição”, como o da dignidade humana.

“O veto do presidente respeito a nova política penal promovida pelo Congresso Nacional”, disse. “O presidente da República é um cristão”, prosseguiu. “Estamos defendendo um valor cristão, um valor fundamental da sociedade”, completou.

Deputados e senadores devem analisar o veto de Lula em sessão do Congresso na próxima quinta-feira, 18. Parlamentares de oposição prometeram derrubar o veto. A expectativa é que o governo sofra uma derrota no assunto, sobretudo após o embate público entre o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Líderes da Comissão prometem estabelecer relação civilizada com o ministro

Os convites para que Lewandowski comparecesse à Comissão foram apresentados pelos deputados Sanderson (PL-RS), Rodolfo Nogueira (PL-MS), Rodrigo Valadares (União-SE), Sargento Gonçalves (PL-RN) e Delegado Paulo Bilynskyj (PL-SP). Esta é a primeira vez que o ministro comparece ao Congresso para prestar esclarecimentos sobre as suas atividades no Palácio do Justiça.

O Ministério da Justiça segue sendo a área que mais gera desgastes ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Autoridades federais levaram 50 dias para recapturar os fugitivos do presídio de Mossoró, que foi a primeira unidade prisional de segurança máxima a registrar uma fuga.

Durante a gestão do seu antecessor no cargo, o hoje ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Flávio Dino, a relação entre o Ministério da Justiça e as comissões de segurança Pública da Câmara e do Senado foi de enfrentamento e embates constantes. Dino foi convidado e convocado diversas vezes para comparecer ao Congresso e, em todas elas, protagonizou momentos de confronto com os parlamentes bolsonaristas.

O presidente da Comissão, Alberto Fraga (PL-DF), afirmou logo no início da sessão que Lewandowski deve ter um tratamento diferente do seu antecessor. “Fique tranquilo porque Vossa Excelência não será destratado”, prometeu o deputado.

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments